Texto por Colaborador: Redação 22/02/2024 - 00:25

Big bang na tarde de quarta-feira: O acordo planejado com investidores na Bundesliga fracassou! O Presidium da Liga Alemã de Futebol decidiu isto na sua reunião extraordinária em Frankfurt/Main, na quarta-feira. Isso foi precedido por protestos violentos de fãs.

A DFL queria arrecadar mil milhões de euros de um investidor financeiro por uma percentagem das receitas da televisão. O único candidato remanescente foi a empresa CVC, com a qual a liderança da DFL manteve discussões recentemente. A empresa norte-americana Blackstone já havia se retirado das negociações; antes disso, o número de candidatos foi gradualmente reduzido.

A declaração completa do chefe do BVB e porta-voz do comitê executivo da DFL, Hans-Joachim Watzke:

"Tendo em conta os desenvolvimentos actuais, uma continuação bem sucedida do processo já não parece possível. Mesmo que haja uma grande maioria a favor da necessidade empresarial da parceria estratégica: o futebol profissional alemão está no meio de um teste que está a decorrer não apenas dentro da associação da liga entre os clubes, mas também às vezes também dentro dos clubes entre profissionais, treinadores, dirigentes de clubes, órgãos de supervisão, assembleias gerais e comunidades de torcedores, o que causa grandes disputas que colocam em risco as operações de jogo, processos de jogo específicos e, portanto, a integridade da competição com crescente veemência. A viabilidade de uma celebração bem sucedida de um contrato em termos de financiamento dos 36 Clubes já não pode ser garantida dadas as circunstâncias da associação da liga com os seus 36 clubes membros.

Depois de considerar todos os aspectos jurídicos, o Presidium chegou à conclusão de que quaisquer novas votações não trariam uma solução para o problema. O ponto de partida é a votação de 11 de dezembro de 2023, que resultou numa maioria de 2/3 para um mandato final do Presidium. Este voto é considerado juridicamente válido na comissão executiva e de acordo com a avaliação dos advogados. No entanto, não se deve esquecer que esta votação carece de ampla aceitação devido aos acontecimentos que rodearam o Hannover 96. Dado o grande trunfo que temos em mãos com a regra 50+1, ignorar esta não deve ser a nossa abordagem.

O Presidium da DFL é unânime no seu apoio à regra 50+1. No entanto, qualquer nova votação com o objetivo de estabelecer esta aceitação através de uma resolução levantaria novas questões jurídicas relativamente à avaliação da decisão juridicamente eficaz tomada em dezembro de 2023, que não foi questionada ou contestada por nenhum clube na altura, o que colocaria o implicaria o risco de novas questões jurídicas ou mesmo disputas. Evitar isso e retornar às operações ordenadas do jogo deve ser o objetivo principal da DFL.

O Presidium chegou, portanto, por unanimidade à conclusão de que, com base na resolução de 11 de dezembro de 2023, deveria exercer o seu poder discricionário final de não continuar ou concluir o processo. O Presidium da DFL e a administração irão convidá-lo para as discussões do clube nas próximas semanas, a fim de discutirmos juntos as conclusões do processo."

Associação de fãs “Nossa Curva” satisfeita
A torcida organizada “Nossa Curva” reagiu ao fim do negócio com investidores com satisfação e satisfação.

"Um bom dia para os adeptos de futebol da Alemanha", disse o porta-voz da federação, Thomas Kessen, comentando a decisão da DFL em resposta a um pedido do "SID": "Os protestos abrangentes, mas muito pacíficos e muito criativos, foram, em última análise, a chave para o sucesso."

Do ponto de vista de Kessen, a essência do futebol alemão e a sua cultura estão entre os vencedores da decisão: "Para todos os adeptos activos do futebol e todos os membros dos clubes, este é um grande sucesso, que mostra que o futebol alemão é baseado em membros. e democráticos, e precisamente eles, os deputados devem ser incluídos nessas decisões inovadoras."

“Sem comentários” da CVC
Entretanto, a empresa de private equity CVC reconheceu a retirada da DFL das negociações sem qualquer avaliação adicional. “Não estamos fazendo nenhum comentário”, disse a CVC na quarta-feira em resposta a um pedido do “SID”.

No ambiente da empresa financeira luxemburguesa, o negócio fracassado foi registado como parte dos negócios quotidianos da indústria de private equity.

Em linha com as práticas habituais no trato com potenciais parceiros, a DFL não teria tido qualquer influência na decisão. Conforme foi ouvido posteriormente, a CVC continuará envolvida no esporte.

 

Via sport.de

Categorias

Ver todas categorias

BVB está certo em manter Terzic na próxima temporada?

Sim

Votar

Não

Votar

84 pessoas já votaram